DENÚNCIA

MP investiga cessão irregular de servidor público de Bento a entidade ambiental

ROGéRIO COSTA ARANTES -     
0
754

O Ministério Público estadual de Bento Gonçalves vai investigar denúncias de usurpação da função pública e exercício ilegal da profissão de fiscal ambiental do servidor público da prefeitura de Bento Gonçalves Jorge Luis Acco e a possível ocorrência de improbidade administrativa por parte do prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, por conta da cedência do servidor de forma irregular à Associação Riograndense de Proteção aos Animais e ao Meio Ambiente (Arpa). A denúncia foi apresentada na manhã desta terça-feira, dia 22, pelo Sindicato Rural da Serra Gaúcha.

Denúncia revela irregularidades na cessão de servidor público (Foto: Dariano Moraes)

De acordo com o documento entregue ao promotor Alécio Nogueira, que deve instaurar um inquérito civil para apurar as denúncias, a investigação deve ter dois focos, um deles no contrato de convênio encaminhado pela prefeitura e aprovado pela Câmara de Vereadores, e outro na atuação do servidor público, concursado como telefonista da prefeitura, que exerce outra função há cerca de 20 anos, quando foi cedido pela primeira vez à entidade ambiental.

“Ficou claro que seriam dois níveis de questionamento, um relacionado ao convênio da entidade com o município e outro que é a forma de atuação do agente cedido a esta entidade”, afirmou o promotor.

Veja a entrevista com o promotor Alécio Nogueira

Além disso, o convênio que estabelece a parceria e a cedência do funcionário encerrou em dezembro de 2017 e não foi renovado. O secretário de Governo de Bento Gonçalves, Enio De Paris, afirmou que um projeto de lei para renovar o convênio foi encaminhado à Câmara de Vereadores na segunda-feira, dia 21. O projeto está nas comissões, que devem apreciar relatórios na próxima terça-feira, dia 29, para, somente depois disso, ser votado em plenário, o que poderá ocorrer no início de junho.

Para o presidente do sindicato, Elson Schneider, a atuação do servidor é irregular e prejudica os produtores rurais da região. Schneider afirmou que o sindicato recebe informações sobre o trabalho da Arpa, que tem uma sede em Bento em uma sala cedida junto à Inspetoria Veterinária do município, há cerca de dois anos. Segundo ele, há relatos de uso de violência contra produtores, intimidação e invasão de propriedade.

“Trazer se houve legalidade nesta cedência junto ao município e qual é a atuação deste servidor público municipal junto à Arpa”, afirmou Schneider.

Veja a entrevista com o presidente do Sindicato Rural, Elson Schneider

O servidor afirma que está tranquilo e que vai prestar as informações necessárias ao MP. Acco acredita que a atitude seja uma perseguição, uma vez que o presidente do sindicato estaria respondendo a procedimentos instaurados por ele por supostos crimes ambientais.

“Não vou dar moral para uma pessoa que estou processando”, acusou Acco.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.