Eduardo Bolsonaro é agraciado com a Medalha Mérito Farroupilha

2
825

Em cerimônia no início da noite desta quinta-feira (11), no salão Júlio de Castilhos da Assembleia Legislativa, o deputado federal Eduardo Bolsonaro recebeu a Medalha do Mérito Farroupilha, a mais alta honraria do Parlamento rio-grandense. A medalha foi entregue pelo presidente Luís Augusto Lara (PTB), por proposição do deputado Rui Irigaray (PSL).

Irigaray, atual secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, licenciou-se do cargo para poder voltar à Assembleia e fazer a entrega da distinção. Lembrou seus primeiros contatos com Eduardo Bolsonaro: “Acompanhava suas postagens nas redes sociais e suas mobilizações em favor do direito à defesa, uma das principais bandeiras que defendo”, iniciou o parlamentar, que é fundador do movimento Armas SA. Em um contato casual no aeroporto Salgado Filho, Eduardo o convidou para “tomar parte em um movimento importante, clamado pelo país, de mudança estrutural dentro da política brasileira. Depois, nos dedicamos à campanha de alguém ainda desacreditado, e nos chamavam de loucos. Pois elegemos um estadista, o presidente Jair Bolsonoro, que vai entrar para a história do Brasil e colocá-lo entre as maiores nações do mundo”.

Ruy Irigaray frisou ainda que via na figura de Eduardo Bolsonaro um grande líder. “Ele carrega as bandeiras da família, da direita, do livre mercado, e faz e fará a diferença na Câmara Federal, representando milhões de brasileiros. É sem dúvida a maior liderança de direita no Brasil. Um incansável, e é de pessoas assim que o país precisa”, registrou. Para Irigaray, “Eduardo Bolsonaro ainda será presidente do país, por sua capacidade e conhecimento”.

Eduardo Bolsonaro agradeceu as palavras do proponente, e disse estar emocionado com a deferência. “Mesmo com apenas 34 anos, sinto o peso da responsabilidade que temos com o Brasil”, sublinhou, destacando que as eleições de 2018 foram um divisor de águas. “Elegemos um presidente que tinha como apoio a vontade da maioria em mudar”, observou.

Sobre o Rio Grande, destacou conhecer alguns potenciais turísticos, mas assegurou que se esforçará para aprender mais. “Vocês têm lugar especial no meu coração, ainda mais agora, com minha noiva sendo de Nóia”, brincou. Disse que havia crescido ouvindo que o Rio Grande do Sul era um Estado diferenciado, com cultura forte, com base em imigrantes da Europa, e que brigou pela independência. “No entanto, vejo com tristeza a piora econômica que atinge os rio-grandenses nos últimos tempos”, observou.

Destacou que seria impossível deixar de mencionar os 100 dias do governo de Jair Bolsonaro. “Um presidente que vem cumprindo suas promessas de campanha, reduzindo o tamanho do Estado, realizando leilões e concessões parados há décadas, com uma proposta de reforma da Previdência Social que pela primeira vez fará as correções necessárias, cortando privilégios”. Citou, ainda, a pauta em favor da legítima defesa. “Tudo que está sendo feito impacta também no Rio Grande. Somos a reação, na área da segurança e em outras áreas, a tudo aquilo que sociedade não aguenta mais”, finalizou.

O presidente da Assembleia Legislativa, Luís Augusto Lara, parabenizou o homenageado e destacou a iniciativa do proponente. “As palavras de boas-vindas já foram dadas ao senhor pessoalmente, deputado Eduardo. Aproveito o espaço para saudar o deputado Ruy, pela determinação e tenacidade de fazer cumprir uma vontade legítima de um parlamentar e do seu partido”, observou. Conforme Lara, homenagear um deputado federal de outro Estado, “com a importância das pautas que trata, com aquilo que já representa para fatia importante da política nacional, e sobretudo por tudo que ainda pode fazer pelo Rio Grande e pelo Brasil, é mais do que legítimo, e precisa ser reconhecido pelo Parlamento gaúcho”.

 

Acompanharam a cerimônia os deputados Eric Lins (DEM), Tenente-coronel Zucco (PSL), Capitão Macedo (PSL) e Vilmar Lourenço (PSL), familiares, amigos e simpatizantes de Eduardo Bolsonaro, que compareceu acompanhado da noiva, a gaúcha Heloísa Wolf.

Imagens: (Arthur Cipriani/Grupo RSCOM)

COMPARTILHAR

2 COMMENTS

  1. Tanta coisa pra ser feita e para o homenagear um cara que nem do estado é me poupe né… Que tipo de política que o nosso Brasil está vivendo?

  2. Homenagear alguém que contribui para a humanidade é louvável. Homenagear alguém porque é de direita é estupidez humana. Quanto ao homenageado daqui a poucos anos não conseguirá sequer ser reeleito. Quem discorda sugiro reenviar esta msg daqui a 3,7 anos.

LEAVE A REPLY