BM rebate facção e abre inquérito sobre morte de morador de condomínio em Porto Alegre

“Não aceitamos ameaças”, diz comandante do 9º BPM sobre nota de grupo criminoso contra policiais

Publicado por
16:45 - 20/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp

Foto: Record RS / Reprodução

A morte de um homem de 41 anos, residente do condomínio Princesa Isabel, desencadeou uma série de eventos que aumentaram a tensão no bairro Azenha e arredores, inclusive com nota feita por facção. A Brigada Militar abriu um inquérito para investigar o caso, que gerou protestos e a queima de dois ônibus na noite de domingo.

O Caso

Na madrugada de sexta-feira, a vítima foi abordada por policiais militares em frente ao condomínio e colocada em uma viatura, conforme consta no boletim de ocorrência registrado por sua irmã. Horas depois, o corpo do homem foi encontrado com lesões, no extremo sul de Porto Alegre.

Repercussões e Protestos

A facção criminosa que controla o tráfico de drogas no complexo residencial, conhecido como “Carandiru”, divulgou um comunicado nas redes sociais com ameaças diretas à Polícia Civil e à Brigada Militar. O texto não apenas impôs um toque de recolher aos moradores, mas também autorizou que criminosos atirassem contra as forças de segurança.

Resposta das Autoridades

O comandante do 9º BPM, tenente-coronel Fábio Schmidt, confirmou a autenticidade do comunicado da facção, mas deixou claro que a polícia não se intimidará diante das ameaças. “Abrimos um inquérito militar sobre o ocorrido. Independente disso, quero deixar claro que não há local onde a BM não entre. Não aceitamos ameaças. Por isso que vamos continuar com ações na localidade e, assim, garantir a segurança da população”, afirmou o oficial.

Investigação

A Brigada Militar está conduzindo uma investigação interna para apurar as circunstâncias da abordagem e a morte do morador. As autoridades estão empenhadas em esclarecer os fatos e responsabilizar os envolvidos. A Polícia Civil também está envolvida na investigação, apesar das ameaças da facção.

Medidas de Segurança

A presença policial no bairro foi reforçada para garantir a segurança dos moradores e prevenir novos atos de violência. A BM está realizando operações regulares na região do Carandiru para manter a ordem e impedir atividades criminosas.

Impacto na Comunidade

Os moradores do condomínio Princesa Isabel e das áreas adjacentes estão preocupados com a escalada da violência e o impacto das operações policiais na rotina diária. Muitos relataram medo e insegurança, especialmente após as ameaças de toque de recolher impostas pela facção criminosa.

Conclusão

A morte do homem de 41 anos e os subsequentes protestos e ameaças destacam a complexa relação entre as forças de segurança e as facções criminosas em Porto Alegre. As autoridades estão trabalhando para resolver o caso e garantir a segurança da população, enquanto os moradores aguardam ansiosos por respostas e uma resolução pacífica para a crise.

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp