Liga de Combate ao Câncer de Bento Gonçalves acolhe pacientes de outras cidades afetadas pela tragédia climática no RS

Esforços estão sendo feitos para que pessoas de outras localidades possam seguir com os seus tratamentos

Publicado por
11:25 - 13/05/2024

Compartilhar:

Facebook Twitter Whatsapp
Liga de Combate ao Câncer de Bento Gonçalves acolhe pacientes de outras cidades afetadas pela tragédia climática no RS

Foto: Divulgação

Em meio a tragédia climática enfrentada pelo Rio Grande do Sul, o Centro Assistencial Andressa Zietolie da Liga de Combate ao Câncer de Bento Gonçalves abriu suas portas para amparar, também, pessoas de alguma forma afetadas pelas consequências da calamidade pública no estado.

A sede da entidade tem acolhido pacientes em tratamento contra o câncer na cidade vindos de outros municípios da região, que viram a situação logística de deslocamento até Bento Gonçalves ficar praticamente inviável após os danos e bloqueios nas estradas estaduais.

São casos como o do casal Antônio Segalotto, de 74 anos, e Síria Maria Segalotto, de 73, que dependem desse suporte para continuar com o tratamento. Moradores de Paraí, viram a viagem que antes da tragédia era feita em cerca de 90 km dobrar de extensão, para aproximadamente 180 km por conta dos desvios. A distância inviabilizava o deslocamento diário para o tratamento de radio e quimioterapia de Síria, que trata um nódulo no intestino grosso.

“Ficamos cerca de cinco semanas em tratamento, e já ocupávamos a estrutura da Liga para hospedagem. Porém, na semana das enchentes tivemos que retornar para nossa cidade, por conta do feriado, e não conseguimos mais voltar à Bento após isso. Fiquei vários dias sem realizar o tratamento, até que conseguimos liberação em um dos trechos da estrada e retornamos para completar o ciclo oncológico. Encontramos na Liga novamente este acolhimento. Só temos a agradecer”, conta Dona Síria.

Outro caso semelhante é o de José Luiz Albara, de 70 anos. Ele faz tratamento para um tumor cerebral há cerca de um mês e, nesse período, fazia diariamente o deslocamento de ida e volta até Nova Bassano, onde mora com a esposa Geni e a filha Jurinéia.

“Recebemos o diagnóstico em outubro de 2023 e, desde então, viemos gradativamente nos deslocando até Bento para consultas e tratamentos. Por conta dos bloqueios nas estradas, se torna inviável esse deslocamento até lá todos os dias. Foi então que ficamos sabendo da Liga e buscamos apoio para ficarmos hospedados até conseguirmos concluir o tratamento, que deve levar mais uma semana. Se não fosse o acolhimento da Liga, não tenho nem ideia de como poderíamos lidar com essa situação”, relata a filha.

Já o aposentado Élio Nunes da Silva, de 79 anos, precisou buscar o apoio da entidade por conta da inviabilidade de percorrer os quase 200 km diários até Guaporé, onde reside com a filha Geneci, que o acompanha durante o tratamento de um câncer no reto.

“Iniciamos o tratamento recentemente e temos ainda mais cinco semanas pela frente. Não temos a menor condição de fazer o deslocamento diário até nossa cidade, pois é desgastante e perigoso. Graças a Deus encontramos abrigo aqui na Liga, da melhor forma possível”, agradece Geneci.

Sensível a estes casos, a Liga flexibilizou a estrutura da Casa de Apoio para que possa abrigar as famílias também aos finais de semana, pois normalmente o funcionamento se dá apenas de segunda à sexta. Além disso, o Centro Assistencial acolhe enfermeiras que atuam no Hospital Tacchini e que não conseguem se deslocar para suas cidades de origem por conta dos transtornos nas estradas.

“O propósito da Liga de Combate ao Câncer sempre foi acolher e amparar quem mais necessita. Está em nossa essência exercer a solidariedade e estender a mão às pessoas que buscam o nosso auxílio. Em um momento tão difícil como este que estamos passando, não seria diferente. Estamos de coração e portas abertas para receber e acolher essas pessoas”, enfatiza a presidente da entidade, Maria Lúcia Severa.

O Centro Assistencial Andressa Zietolie da Liga de Combate ao Câncer de Bento Gonçalves conta com estrutura de 930 metros quadrados, capaz de acomodar até 14 pessoas em tratamento, com seus acompanhantes. Além dos dormitórios, há área de lazer, refeitório, salas para consultas – médicas e psicológicas – além de banheiros com equipamentos de acessibilidade, lavanderia, elevador e rampa para facilitar o acesso de pacientes a todas instalações da casa. O local fica na Rua Ramiro Barcelos, número 580, ao lado do Hospital Tacchini. O telefone para contato é (54) 3451.4233.

Fonte: Liga CCBG

Compartilhe nas suas redes

Facebook Twitter Whatsapp