CDL-BG compartilha solidariedade através do projeto Sonho de Menina Moça

0
252
Ari Fachinetto da CDL, irá acompanhar e Andrieli do Nascimento numa data especial para ela Foto Divulgação

 Espécie de rito de passagem para as meninas, a chegada dos 15 anos representa uma fase de transição na vida das adolescentes. Ao mesmo tempo que responsabilidades do mundo adulto se aproximam, a fantasia dos contos de fada habita o imaginário de muitas delas – e o baile de debutantes sintetiza um pouco esse período de passagens.

O projeto Sonhos de Menina Moça – Um Conto Real, promovido pelo Gabinete da Primeira-Dama em parceria com diversas entidades, entre elas a Câmara de Dirigentes Lojistas de Bento Gonçalves (CDL-BG), equilibra ações que promovem conhecimento – através de palestras e oficinas – e encantamento – por meio do baile e sua pompa com vestidos de gala e valsa.

Neste dia 28, a partir das 19h30min, a CDL-BG leva aos salões do Clube São Bento a estudante Andriele da Silva do Nascimento, 15 anos. De poucas palavras, a garota apadrinhada pela entidade sabe que o baile será o coroamento de meses de treinamento e de um momento simbólico na vida dela. “Será um dia especial”, prevê a aluna do 8º ano do Caic, no Zatt, citando também adjetivos como “novo” e “diferente” para descrever as vivências deste ano.

Desde março, Andriele, assim como outras meninas selecionadas pelo projeto, tem frequentado semanalmente um cronograma de palestras sobre mercado de trabalho, comportamento, saúde da mulher, etiqueta, valorização, entre outros, como forma de preparação para uma nova etapa de vida que se aproxima – tanto que o Gabinete da Primeira-Dama procura encaminhar as meninas para emprego através do Jovem Aprendiz. Além disso, participaram de um passeio de Maria Fumaça e de sessões de fotos. Com tanto tempo juntas, elas criaram fortes vínculos de companheirismo. “A amizade que surgiu entre a gente foi uma das coisas mais legais”, conta Andriele.

Para participar do projeto, em sua quarta edição, as meninas precisam estar inscritas nos Centros de Referência de Assistência Social e a família, no CAD Único. As entidades apadrinhadoras são responsáveis pelo custeio, por exemplo, de vestido, transporte, fotos, entre outros.

Parceira desde o primeiro Sonhos de Menina Moça, a CDL-BG encontra no projeto uma oportunidade de participar ativamente na transformação da sociedade, criando condições de autoestima e cidadania. “É muito emocionante ver essas meninas passando por essa etapa com uma nova perspectiva de futuro”, comenta Ari Fachinetto, diretor da CDL que será par de Andriele.

 

 

COMPARTILHAR

LEAVE A REPLY