POLÊMICA

Chico Guerra quer proibir discussão sobre ideologia de gênero em escolas

O projeto do vereador republicano está tramitando na Casa desde o último dia 5 de outubro

RICARDO DE SOUZA -     
1
1046

O vereador Chico Guerra (PRB) anunciou, na sessão ordinária desta quarta-feira, dia 11, que protocolou um projeto de lei que proíbe a construção, divulgação e apreciação de materiais que tratem ou façam referência à ideologia e identidade de gênero nas escolas municipais de Caxias do Sul. A proposta também prevê que todo o conteúdo didático seja analisado antes de ser distribuído aos colégios. O projeto do vereador republicano está tramitando na Casa desde o último dia 5 de outubro

O projeto do vereador republicano está tramitando na Casa desde o último dia 5 de outubro (Foto: Matheus Teodoro/Divulgação)

A proposta do líder do governo na Câmara de Vereadores diz que a questão é muito desgastada nos debates públicos. Pontua que, em âmbitos estadual e nacional, as expressões ideologia de gênero e orientação sexual foram extirpadas dos planos estaduais e Nacional da Educação, por já terem sido apreciados por entidades máximas do poder Legislativo. No Plano Municipal da Educação de Porto Alegre, por exemplo, os termos não aparecem mais.

Chico fez a leitura da exposição de motivos do projeto, em plenário. O texto afirma que, mesmo após o desagravo das referidas instâncias de poder, no tocante à ideologia e/ou à identidade de gênero, os adeptos dessa forma de doutrinação usaram a proibição como subterfúgio às legislações máximas, incluindo os termos nos planos municipais da Educação.

O republicano adiantou que, se o texto não for aprovado, ele mesmo praticará a proibição em casa. Destacou que, caso seus dois filhos tenham acesso a materiais que se refiram ao assunto, a escola onde ambos estão matriculados será notificada extrajudicialmente. Segundo ele, o documento deixa claro que qualquer menção à ideologia e/ou à identidade de gênero é passível de processo judicial. O parlamentar vai disponibilizar a notificação aos pais interessados, em seu gabinete e nas próprias redes sociais.

Fonte: Câmara de Vereadores de Caxias do Sul

 

 

1 COMENTÁRIO

  1. Não sou crente (que são os que se dedicam a combater a tal da ‘ideologia de gênero’), mas também não vejo utilidade alguma em se discutir com crianças em sala de aula a exceção da exceção da sexualidade humana (esse fenômeno do nascer homem e sentir-se mulher e vice-versa).
    A esmagadora maioria da população que nasce num “gênero” com ele se identificará (sendo gay, bi ou hétero); isso é o “normal biológico”, ora pois.

Deixe uma resposta