Polícia Federal desarticula tráfico internacional de drogas na Serra

ROGéRIO COSTA ARANTES -     
0
3833

Polícia desarticula grupo criminoso com ligações entre o Paraguai, o Mato Grosso e a Serra Gaúcha (Foto: PF/divulgação)


A Operação Coroa, deflagrada nesta terça-feira, dia 29, pela Polícia Federal, desarticula uma quadrilha responsável pela distribuição de drogas no Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul cumprindo sete mandados de prisão preventiva e nove de busca e apreensão nas cidades de Caxias do Sul, em Ponta Porã (MS), e em Assunção, no Paraguai. Somente em Caxias, são cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e dois de prisão em Caxias do Sul.

As investigações iniciaram em março, quando a polícia apreendeui 4,6 toneladas de cocaína e maconha nas cidades de Veranópolis, Maringá (PR) e Campo Grande (MS).

Em Veranópolis, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Bento Gonçalves prendeu um homem de 32 anos que transportava 80 quilos de pasta base de cocaína no final de março na BR-470, vindo de Ponta Porã (MS).

A polícia apontou que a organização comprava cocaína de um narcotraficante brasileiro que está preso no Paraguai. A droga entrava no Brasil por Ponta Porã, e depois era comercializada na serra gaúcha.

Conhecido pela admiração por coroas, por meio de tatuagens e imagens – o que deu nome à operação -, o investigado responde a processos por quatro operações da Polícia Federal no Rio Grande do Sul – Matriz, Panóptico, Suçuarana e Argus.

“Estima-se que o lucro obtido a cada carga de cocaína transacionada chegue a meio milhão de reais, o que possibilitava uma vida de ostentação a um dos líderes do grupo”, afirmou a PF em nota.

Nas ações de hoje, além da prisões e apreensões, a PF também deve executar o bloqueio das contas bancárias de seis investigados e o sequestro de 13 veículos, entre automóveis e caminhões. Além de reprimir o tráfico de drogas, a Operação Coroa busca a diminuição da violência na fronteira Brasil-Paraguai, resultante da disputa entre facções pelo controle do tráfico de drogas na região.

Deixe uma resposta