SUSPEITAS DE CORRUPÇÃO

Alheia à investigação, prefeitura de Bento vai retomar votação do Plano Diretor

ROGéRIO COSTA ARANTES -     
0
639

Um dia depois que as suspeitas de pagamento de propina a vereadores de Bento Gonçalves para aprovar emendas ao Plano Diretor resultaram na abertura de um inquérito civil do Ministério Público Estadual (MP), a prefeitura confirmou que deve solicitar o desarquivamento do projeto de revisão do plano nesta quarta-feira, dia 15.

De acordo com o secretário de Governo, Enio De Paris, a prefeitura tem um “compromisso com a comunidade” para encaminhar a votação do plano. Ele afirma que a decisão do Executivo é “independente” da Câmara, e que o processo seguiu todos os trâmites adequados. De Paris acredita que as suspeitas sobre a lisura do processo no Legislativo não impedem o novo encaminhamento do projeto.

“O Executivo fez todo o trabalho junto ao Complan e a comunidade. A proposta do Executivo tem nada a ver com o que está acontecendo. Não joga pra cima do Executivo a situação da Câmara. É uma decisão que está tomada”, afirmou o secretário.

A intenção da prefeitura é aprovar o plano ainda neste ano, dois anos depois do prazo de 10 anos estabelecido para as revisões. Em Bento Gonçalves, o prazo se esgotou em 2016. Mas a pressa não se justifica, porque o governo federal prorrogou o prazo para estados e municípios aprovarem os planos até abril de 2019.

Leia também
MP investiga suposto esquema para aprovar emendas ao Plano Diretor de Bento
Denúncias de corrupção para aprovar Plano Diretor atrapalham revisão em Bento
MP vai atuar em duas frentes para apurar suposto esquema de propina em Bento

Para o presidente da Câmara de Vereadores, Moisés Scussel Neto (PSDB), que afirmou não ter recebido ainda um pedido de desarquivamento do projeto, mesmo que o período não seja considerado o mais propício para o retorno dos debates sobre a revisão do plano, se o pedido de desarquivamento for encaminhado, ele deverá entrar na pauta de votações em no máximo 30 dias. Scussel afirmou que é preciso respeitar o processo legislativo, e que o autor do projeto tem a prerrogativa de desarquivar. De acordo com Scussel, os autores das emendas apresentadas no ano passado também poderão solicitar o desarquivamento.

“A opinião de que talvez devesse segurar é uma opinião minha, mas a decisão é do autor do projeto. Em momento algum se lança dúvidas sobre a origem do projeto”, garante o presidente do Legislativo. Para ele, é preciso respeitar a decisão do Executivo.

O projeto de lei para revisão do Plano Diretor está arquivado desde dezembro do ano passado, a pedido do Executivo. Na época, a decisão seguiu uma solicitação do Complan, para analisar as cerca de 70 emendas apresentadas pelos vereadores e equilibrar os interesses antagônicos. Em abril, o Complan entregou ao Executivo um estudo com a análise de cada uma das emendas apresentadas.

Mesmo assim, nada impedirá que as emendas também sejam desarquivadas, voltem à discussão e sejam votadas pelos vereadores, mesmo que as investigações do MP estejam em andamento e que, dependendo do resultado, podem até resultar em anulação de todo o processo legislativo.

Para Scussel, uma eventual aprovação do projeto de revisão do plano antes de uma posição final sobre as suspeitas de corrupção não significa que o plano esteja sob suspeição. Para ele, há uma investigação que precisa de comprovação.

“Temos que fazer a separação do projeto em sua origem e das emendas. Se carece de uma investigação, sim, acerca da gravação apresentada nos últimos dias, mas não podemos falar em suspeição do projeto a partir do momento em que ele passe por uma votação e seja aprovado ou não. Fato é que a investigação prossegue independente da aprovação ou não”, acredita Scussel.

As denúncias investigadas pelo MP afirma que um grupo de empresários da construção teria oferecido propina de R$ 40 mil a cada vereador que assinasse as emendas de interesse do grupo. Em uma gravação a que a reportagem do Leouvê teve acesso, o vereador Gustavo Sperotto (DEM) revela o esquema e diz que participou de uma reunião onde teria recebido a proposta, mas garantiu que, assim que percebeu a intenção, deixou o local. Segundo ele, outros vereadores teriam aceitado a proposta.

Deixe uma resposta